Comidas que combinam com vinho tinto

Nada como estar com os amigos conversando, petiscando e tomando um vinho. Mas você sabe quais comidas que combinam com vinho tinto? Existem diferentes tipos de vinho tinto e eles combinam de diferentes maneiras com diferentes tipos de culinária ou com determinados alimentos.

Existem muitas combinações agradáveis que melhoram o sabor tanto da comida como do vinho que tomamos. O casamento perfeito é aquele que aumenta as virtudes das receitas e do vinho que estamos partilhando.

vinho tindo e comida

O vinho tinto combina bem com muitos pratos da nossa cozinha e também com algumas sobremesas. Outro aspecto interessante é que também podemos usar o vinho tinto como toque especial para muitas receitas de pratos salgados e doces, como por exemplo as pêras em vinho tinto.

Dicas básicas para um equilíbrio perfeito

Antes de colocar as comidas que deixar os princípios básicos para conseguir o equilíbrio entre os dois:

  • Tomaremos vinhos tintos com alto teor de tanino com carnes vermelhas.
  • Um alto teor de tanino vermelho não é a melhor escolha para acompanhar pratos picantes.
  • Para os peixes sempre pensamos em vinho branco, mas os vinhos tintos baixos em tanino também podem acompanha perfeitamente.
  • Os vinhos tintos encorpados acompanham muito bem com pratos saudáveis.
  • Para a sobremesa se tomaram vinhos doces, assim como a sobremesa ou mais.
  • Um vinho que envelheceu é complexo, por isso, para que haja harmonia os ideais serão pratos como assados ou comidas com pouco sal (sem temperos ou molhos que possam cobrir as nuances de vinho).
  • Evite tomar vinho tinto com ingredientes como picles, alcachofras, pimentos, amendoim ou chocolate.

Comidas que combinam com vinho tinto

Vinhos tintos frutados e suculentos

São óptimos para acompanhantes para carnes, frango ou peixe grelhado ou assado, carne de porco assada e alguns pratos de cozinha internacionais como comida indiana, mexicana, ou (como pizza). Ideal para encontros de família e amigos ou mesmo para um piquenique porque ele também funciona bem com queijos suaves.

Vinhos tintos intensos com aroma a frutas do bosque

Entre as comidas que combinam com vinho tinto intensos com aroma a frutas do bosque contamos com carnes grelhadas ou assadas, especialmente cordeiro ou carneiro. Também pode ser uma boa escolha para acompanhar um pato, frango ou peru assado e carne assada com corte clássico muito fino.

Evite tomar esse tipo de vinhos com peixes porque desaparece o sabor da comida, bem como quando é acompanhado por tomates ou alimentos muito picantes como seu sabor não é de todo agradável.

Vinhos tintos sedosos aromáticos 

Estes vinhos tintos acompanham bem carnes vermelhas com molhos não picantes, carnes de caça, frango em molho de vinho tinto ou alho… São vinhos aromáticos com notas de fruta e que perdem o encanto se tomamos com pratos picantes.

Vinhos com baixo tanino e aromas herbáceos

As comidas que combinam com vinho tinto desse tipo são especialmente da cozinha italiana, espanhola e mediterrânea. Esses vinhos podem ser tomados com praticamente qualquer comida e que funcionam com carne vermelha, porco ou peixe (assado ou grelhado), massas ou pizza, empanadas, com temperos de alho ou ervas. Também é uma boa escolha para acompanhamento de petiscos.

Vinhos tintos terrosos e saborosos

São vinhos para acompanhar pratos de carnes fartas, carnes de caça e qualquer coisa que não combinam bem com carne de porco ou frango frio. Podemos levá-los com arroz na estação do outono (risoto de cogumelos) ou com guisados fortes, peru ou frango recheado que também combinam.

Vinho aromático quente

Estes vinhos são perfeitos com pratos fortes, picantes ou fortes em sabor, mas não são intensas com alimentos mais suave. Ideal para pratos mais fortes da culinária italiana, como massas bolonhesas ou canelone com carne e bechamel. Também eles trabalham muito bem com carnes curadas ou típico peru ou frango recheado.

combinação

Os diferentes tipos de alimentos a nível nacional ou internacional são variados e oferecem muitas possíveis combinações para cada momento com algumas dicas básicas. Partilhar um copo de vinho é maravilhoso e se podemos acompanhar uma deliciosa refeição ou lanche que aumenta suas melhores características.

Ficou claro o assunto das comidas que combinam com vinho tinto? De certeza agora ficará um pouco mais fácil.


entre em contato

Dicas para a gestão da garrafeira

Pretende montar uma garrafeira na sua casa e quer saber mais sobre isso? Encontrou o lugar certo. Aqui deixaremos dicas interessantes sobre a gestão da garrafeira e o cuidado do vinho para poder apreciar e servir da melhor maneira.

Dicas para gestão da garrafeira

Para manter as melhores condições

Em primeiro lugar, ao pretender constituir uma garrafeira deve ter em atenção dois factores: a temperatura e a luz. Assim, deve escolher uma divisão da casa onde estes dois elementos sejam passíveis de serem controlados.

Idealmente os vinhos deverão permanecer armazenados às escuras, e a uma temperatura constante de 11 ou 12º, já que as temperaturas elevadas conduzem a um envelhecimento precoce dos vinhos, com maus resultados. As garrafas deverão ser acondicionadas na posição horizontal, mantendo a rolha sempre húmida, impedindo, deste modo, a entrada de ar e a consequente oxidação do vinho.

Excepção são as garrafas de aguardentes, whisky, vinho da Madeira e Vinho do Porto, que deverão permanecer na posição vertical.

Os espumantes não deverão permanecer muito tempo em garrafeira, pois já foram envelhecidos.

Cuidados a ter com as garrafas

Já que buscamos a melhor maneira para a gestão da garrafeira devemos saber que nem todos os vinhos saem beneficiados de longos processos de envelhecimento. Isso deve ter particular atenção à qualidade dos vinhos.

Deve sempre registar as datas de compra, a quantidade comprada de cada marca de vinho, para assim poder ter um controlo de stock.

A sua garrafeira deve estar dimensionada para o seu consumo, e não possuir demasiada quantidade de vinhos, que correm o risco de se deteriorar.

gestão da garrafeira

Quero fazer mais posts assim, com mais dicas. Se gostou e achou interessante o tema sobre a gestão da garrafeira, confira também o post sobre quais comidas podem ser perfeitas para serem acompanhadas por vinho tinho. Para qualquer dúvida ou sugestão entre em contato. Busco sempre aprender mais e ajudar a todos que gosto, principalmente sobre esse tema tão gosto tanto.


Dicas sobre como servir e apreciar um vinho

Hoje deixarei várias informações e dicas sobre como servir e apreciar um vinho. Pequenos e úteis temas que são importantes na hora de desfrutar do vinho.

Dicas sobre como servir e apreciar um vinho

A melhor forma de servir e apreciar um vinho

A regra principal consiste em adequar o vinho ao prato que vai ser servido. Ao longo da refeição não deverão ser servidos muitos vinhos diferentes.

Deixamos aqui algumas dicas para melhor desfrutar da combinação entre vinhos e gastronomia:

  • Primeiro são servidos os vinhos mais leves, e posteriormente os mais robustos;
  • Assim como primeiro servem-se os vinhos brancos, e depois os tintos;
  • E também os vinhos doces e depois os secos.

As temperaturas a que os vinhos deverão ser servidos são as seguintes:

  • Espumantes entre os 6 e os 8º, tendo o cuidado de os colocar num frapé uma vez que a sua temperatura sobe rapidamente;
  • Vinhos brancos novos cerca de 10º e com algum nível de envelhecimento já podem ser servidos a uma temperatura de 12º;
  • Vinhos tintos novos entre os 12 e os 15º e com algum grau de maturação devem ser servidos a uma temperatura de 18º.

Taças

A escolha deve sempre recair sobre copos que ponham em evidência a cor e os aromas do vinho. O copo ideal deverá ser arredondado, alongado e com a parte de cima mais estreita que o resto do corpo. Desta forma, os odores libertados depois de agitar não se dissipam.

Taças de vinho

Como provar

  1. Olhar: Contemplar o vinho deve ser o primeiro passo, a uma luz suficientemente boa, mas não fluorescente. O copo deve estar a 1/3 da sua capacidade. Deve-se segurar o copo pela base ou pela haste, e incliná-lo num ângulo de 45º. Desta forma, a observação é facilitada e impede-se o aquecimento do vinho pelo contacto com a mão. Os aspectos a observar são: a limpidez do vinho, a existência de bolhas ou corpos estranhos, a tonalidade, e a gradação da cor desde o centro até à orla. Em seguida pouse o copo na mesa ou continue a segurá-lo pela haste e faça o vinho girar. Observe a forma como o vinho escorre ao longo do copo. Um vinho que escorra lentamente, tem elevadas quantidades de álcool e/ou açucares.
  2. Cheirar: Sentir os odores libertados constitui uma experiência única. São variados os aromas que se podem identificar num copo de vinho. Um bom vinho possui um bouquet complexo e intenso.cheirando vinho
  3. Provar: Prove, então o vinho. Tome um gole generoso, que lhe permita sentir o vinho em todas as pupilas gustativas. Sinta o seu sabor e a sua textura até obter uma opinião sobre os sabores sentidos.

Decantação

O objectivo da decantação é impedir que os sedimentos do vinho passem para o copo e acelerar a sua oxigenação. Nem todos os vinhos necessitam de ser decantados. Quanto mais velho for o vinho, maior a probabilidade de se acumularem sendimentos, e portanto, maior a necessidade de decantação.

Decantação

O ideal será iniciar a decantação 24 a 48 horas antes de servir o vinho. Quer se utilize um cesto de decantação ou não, o processo de transferência do vinho da garrafa para o frasco de decantação, deve ser lento e suave.

Acho interessante? Quer saber mais sobre vinhos? Confira também os posts sobre comidas que combinam com vinho branco e com vinho tinto. Além disso, recomendo que você visite a página da MasCupon para encontrar as melhores ofertas online.


Guia rápida de vinhos para iniciantes

Este mini-guia de vinhos para iniciantes não é nem mais nem menos do que uma introdução ao mundo excitante de vinho. Começamos uma série que será dedicado a orações, dúvidas e questões que nos chegam todos os dias a partir de diferentes lados. É uma guia rápida de vinhos para iniciantes que responde a perguntas que parecem estranhas ou não, nós ouvimos todos os dias. E hoje, para começar, o que diabos é um vinho?

Vamos lá.

Guia rápida de vinhos para iniciantes

1- De como o vinho é feito? O que traz o vinho?

O vinho é produzido a partir de uvas. Nada mais, nada menos. Você não vai adicionar cerejas, coco e pimenta de cheiro tão bom nessas coisas nem alecrim ou chocolate. Vamos explicar partes. O vinho é feito com uvas e, em princípio, não leva mais ingredientes. Mas, claro, para provar as cores e há programadores que utilizam algum outro mais ingrediente (sempre em quantidades vestigiais).

Estes seriam, aproximadamente:

  • Esclarecendo: Anteriormente utilizado claras de ovos, albumina e agora tendem a usar o equivalente industrial. Mas não é sempre ou usado indiscriminadamente.
  • Fermento: Normalmente não se adiciona mais fermento do que aqueles já têm, mas existe enólogos que adicionam. Eles tendem a ir com nutrientes e enzimas para promover a fermentação, para que ele seja feito correctamente.
  • Sulfitos: O vinho, durante o processo de fermentação, gera uma pequena quantidade de sulfitos. Além desses que aparecem naturalmente, se tende a adicionar uma pequena quantidade para prolongar a preservação do vinho. Nos vinhos naturais nunca são adicionados.

Estas substâncias são utilizadas em pequenas quantidades. O que não efectivamente não esta presente no vinho são outros ingredientes como os mencionados antes. O que dá ao vinho o aroma de cerejas, morangos, amoras, maçãs, pêras ou qualquer tipo de fruta é a variedade de uva utilizada para fazer vinho. Normalmente, em geral, por exemplo, Cabernet Sauvignon tem cheiro de pimentas, Pinot Noir frutas vermelhas como cereja ou morango e Chardonnay branco dá aromas de frutas de verão. Claro, tudo está sujeito ao terroir e ao clima, mas isso seria uma grande linha para um guia de vinhos na cabeça. Aromas e especiarias tostadas vêm do envelhecimento barril. Mas isso veremos mais abaixo.

vinhos para iniciantes

 2- Como o vinho é feito?

  • Depois de um ano (ou muito mais) de cuidados na época da colheita das uvas são colhidas. A colheita poder ser feita de maneira manual ou por máquinas.
  • Se separam as uvas que estão em boas condições das que não estão. Isso pode ser feito no vinhedo ou em uma mesa, mas vale ressaltar que nem sempre a selecção é feita.
  • Se o vinho é branco, é pressionado. Se é vermelho, ele amassa para começar a fermentação.
  • O mosto é feito com as peles das uvas. O tempo de maceração depende do resultado que deseja obter o enólogo no vinho.
  • É pressionado e separado das peles.
  • Ele desloca-se de barris ou de um tanque de aço inoxidável para a fermentação malolática (fermentação em que o ácido málico é convertido para láctico)
  • Se filtra ou clarifica.
  • Deve fazer parenting, o recipiente projectado para executar que leva. Os barris de carvalho são os mais comummente usados.
  • Por fim, o vinho é colocado na garrafa.

3- Por que o vinho tem cheiro de temperos ou chocolate?

Como vimos na parte final do processo de vinificação, uma vez feita a maleoláctica filtrada você pode colocar em barris de carvalho (o mais comummente utilizados são de carvalho francês ou americano). Nelas o vinho começa uma fase em que o contacto entre a madeira, oxigénio e vinho traz nuances e cheiros diferentes tinha originalmente. Se o vinho é envelhecido em barricas de carvalho francês será aromas picantes, brinde, assado… Se o vinho é envelhecido em aromas de carvalho americano será mais adocicado, mais exuberante, como o coco, baunilha, cedro…

Se gostou desse post confira também o texto sobre como a cor afeta a sua percepção de sabor do vinho.