Significado de um brinde

Você já se perguntou qual a origem do brinde e se era parte de um ritual especial? Normalmente, brindamos em celebrações com amigos ou família, mas será que este sempre foi o seu significado?

Versão 1

Viajamos para Grécia antiga para ver como esse ritual se reflectia na cerâmica e escritos da época. Era comum que os homens que marcharam para a guerra derramassem vinho no altar ou no chão como uma oferta aos deuses.

Embora o brinde nos lembre mais aos tempo dos romanos, os gregos foram os primeiros a colocar em prática o brinde. Quando uma grande festa era celebrada, os anfitriões levantavam os seus copos e bebiam-no primeiro, a fim de mostrar aos seus convidados que o vinho não continha veneno. Uma vez que esta era uma prática comum naqueles dias para matar o inimigo. Em seguida, fazia-se o gesto do brinde, chocando uns copos com outros, o que fazia com que o vinho de um se mistura-se com o do outro. Outro sinal de que o vinho não continha veneno, pois todos acabam por beber o mesmo selando assim a amizade e confiança entre eles.

Versão 2

No entanto, há uma outra versão sobre o gesto do brinde.  Esta versão coloca-o no século XVI, quando em 1527 o exército alemão de Carlos V entra Roma e toma posse da cidade. Para comemorar esta vitória, diz-se que os soldados alemães encheram os copos de vinho, levantaram-nos na frente de Carlos V e pronunciaram a frase “bring dir’s”  (em português: “eu ofereço-te”). A contracção da frase tornou-se “brinde” em italiano, e essa linguagem passou para o português.

O mito

Para os românticos, há um mito sobre como ao fazer um brinde incluímos o sentido da audição na degustação do vinho. Deste modo, estimulamos todos os sentidos: audição, visão, olfacto, paladar e tacto.

O mito é uma história estrelado por personagens fantásticas ou sobrenaturais. Esta conta uma vez no Monte Olimpo, Dionísio, o Deus do vinho, convidou os seus deuses e aos sentidos a um banquete generoso.

O sentido do tacto passou muito tempo a beber, ouvindo e falando com a fala. O gosto lambeu os lábios e atordoado expressou a sua satisfação em cada gole. A visão deleitava-se levantando a taça ao topo e olhando as cores e o brilho que reflectia através do sol. O cheiro não parava de fazer sons ao entrar no copo e cheirar como se fosse uma flor perfumada.

Enquanto todos os sentidos estavam ocupados a desfrutar, num canto estava a reclamar a audição. O Dionísio veio e ouviu o mais triste dos lamentos… Como podia ouvir o vinho? O Dionísio ofereceu-lhe para ir aos barris de fermentação e, assim, ouvir o vinho em preparação. Mas a audição queria participar na festa e não achava que era suficiente.  Foi assim que o Dionísio reuniu às  pessoas e disse: “Sempre que as pessoas se reúnam para apreciar o vinho devem brindaram para que para cada som diferente, seja cristal, madeira, barro ou metal, o ouvido possa desfrutar o tilintar”.

Outras histórias

Há teorias menos plausível, mas válidas. Como uma história pré-hispânica de centenas de anos que diz que ao beber vinho, necessariamente temos que abrir a boca, entrando assim maus espíritos. Então para evitar isso, há que chocar os copos para afugentar esses espíritos e desejar saúde.

Assim, este ritual tem sobrevivido até hoje se tornando popular em qualquer reunião, almoço ou jantar, como uma demonstração de fraternidade entre todos os que brindam.

O brinde nos dias de hoje

Em todo os brindes surge a questão sobre chocar ou não os copos. Embora seja suficiente fazer o gesto para o resto dos comensais, muitas vezes gostamos do choque dos copos. Porém, o mais correto é não o fazer.

Agora costuma-se  levantar o copo para o centro, dizer algumas palavras para justificar o brinde, chocar os copos entre si e beber.

Hoje, o protocolo proíbe usar um copo vazio, pois é sinal de desconforto, ou de água, que pode ser interpretado como um desprezo. Embora o padrão é fazê-lo com a mão direita, outros dizem que deve ser feito com a esquerda por ser a do coração. Existem outros tipos de brinde diferentes ao convencional, como atirar os copos ou recipientes contra uma superfície.


O vinho rosé e o clarete: diferenças

O vinho rosa e o clarete atingem o seu pico de consumo nas estações mais quentes. Não é nenhum segredo que o calor faz com que o nosso corpo e mente prefira vinhos mais frescos. Nestes casos, os vinhos brancos e rosé são aqueles que levam o prémio. Assim como, a gastronomia da península no verão também influencia a consumir branco e rosé nestas épocas do ano.

O Grão

Vamos começar fazendo a distinção entre o vinho rosé e o clarete. Isto é, o seu método de preparação, já que é algo que tendemos a complicar e enredar, pois a tradição das áreas de produção do clarete colidem com as definições legais destes tipos de vinho.

Para não entrar em disputas, debates complicados e classificações que vão levar a um beco sem saída, temos escolhido documentar-nos lendo artigos sobre o assunto e apreciando a opinião de viticultores, enólogos e amantes e os consumidores deste tipo de vinho.

Vinho Clarete

Qual é o clarete?

O claro é um tipo de vinho jovem feito com uvas vermelhas e brancas, resultando num vinho com pouca cor (rosa claro, salmão…) com aromas predominantes de flores brancas, pêssego, etc, Uma vez que tem uma elevada percentagem de uvas brancas . Na boca, encontramos uma maior acidez e amargura que vinhos rosé, mas muito fresco e fácil de beber.

Legalmente o vinho não existe com esse nome, mas ainda são comercializados sob outras categorias devido à sua elaboração. Se temos de classificar o vinho clarete, isso deve ser feito sob a categoria de vinho rosado. Além disso, o velho método de produção destes vinhos em que o vinho branco e o tinto são misturado está proibida pela União Europeia.

Como o vinho clarete é feito?

Para a preparação do vinho clarete, a fermentação parcial é realizada com as peles (a pele da uva) de uvas vermelhas. Em 24-48 horas, a cor é controlada até que o mosto atinge a cor desejada, e, em seguida, se prossegue ao descube (removê-lo da cuba) e continua a sua fermentação noutro tanque, sem a presença das peles.

O método de produção partilha características de produção com os vinhos tintos nos estágios iniciais e com o vinho branco a partir da fermentação. Assim sendo, dando como resultado com vinhos com características estruturais comuns aos vinhos tintos.

Vinho Rosé

O que é o vinho cor de rosa?

O vinho rosé é um tipo de vinho que se elabora a partir de uvas vermelhas ou mistura de uvas vermelhas e brancas (as últimas em pequena proporção) e a cor é mais escura, e geralmente mais viva que a obtida nos claretes.

Dentro deste tipo de vinhos, podemos encontrar diferentes classes, dependendo da tempo e do tipo de envelhecimento na adega.

Como o vinho rosé é feito?

Para fazer vinhos rosé, a fermentação é realizada sem as peles, a principal característica o distingue do vinho claro e torna a sua preparação parecida aos vinhos brancos.

Actualmente, existem dois métodos de processamento para os vinhos rosé:

Rosé de sangramento.  As uvas tintas são desengaçadas, maceradas e após 10-40 horas, dependendo da cor desejada, procede-se ao “sangramento”. Isto é, o mosto é extraído e deixa-se no interior as partes sólidas. Este deve ser transferido para outro tanque onde fermenta sem as cascas da uva.  Os vinhos rosé ​​feitos com este método são caracterizados por uma cor mais intensa e aromas de morangos e framboesas.

Rosa de prensagem directa. A uva (tinta ou branca em pequena proporção e tinta) é pressionada, dando ao puré um ligeiro toque de cor devido aos pigmentos do bagaço (a pele da uva).  O mosto resultante da prensagem fermenta-se noutro tanque sem as peles.  O vinho rosé produzidos com este método caracterizam-se por serem mais leves.

Então, qual é a diferença entre um rosé e vinho tinto?

Em suma, podemos dizer que as suas diferenças são:

  • O clarete só pode ser um vinho jovem enquanto o vinho rosé pode ser de diferentes tipos (jovens, criança, reserva ou grande reserva).
  • O clarete é parcialmente fermentado em contacto com a casca da uva, enquanto que o rosé não.
  • Um vinho clarete elabora-se com uma mistura de uva tinta e branca, enquanto que o rosé pode ser feito apenas com uvas vermelhas ou mistura de uvas tintas e brancas (as brancas sempre em menor grau).
  • O clarete assemelha-se  no seu desenvolvimento inicial ao vinho tinto, enquanto rosé ao do vinho branco.

O vinho rosé e o clarete: diferenças

<div id=”gt-src-cc-ctr” class=”cc-ctr gt-src-cc-normal”>

O vinho rosa e o clarete atingem o seu pico de consumo nas estações mais quentes. Não é nenhum segredo que o calor faz com que o nosso corpo e mente prefira vinhos mais frescos. Nestes casos, os vinhos brancos e rosé são aqueles que levam o prémio. Assim como, a gastronomia da península no verão também influencia a consumir branco e rosé nestas épocas do ano.

<img class=”alignnone size-full wp-image-31128″ src=”http://www.dotgn.cat/wp-content/uploads/16930242136_1b241e2c92_z.jpg” alt=”” width=”640″ height=”427″ />
<h2>O Grão</h2>
Vamos começar fazendo a distinção entre o vinho rosé e o clarete. Isto é, o seu método de preparação, já que é algo que tendemos a complicar e enredar, pois a tradição das áreas de produção do clarete colidem com as definições legais destes tipos de vinho.

Para não entrar em disputas, debates complicados e classificações que vão levar a um beco sem saída, temos escolhido documentar-nos lendo artigos sobre o assunto e apreciando a opinião de viticultores, enólogos e amantes e os consumidores deste tipo de vinho.
<h2>Vinho Clarete</h2>
<img class=”alignnone size-full wp-image-31126″ src=”http://www.dotgn.cat/wp-content/uploads/diferentcias-vino-rosado-clarete.jpg” alt=”” width=”650″ height=”430″ />

</div>
<h4>Qual é o clarete?</h4>
O claro é um tipo de vinho jovem feito com uvas vermelhas e brancas, resultando num vinho com pouca cor (rosa claro, salmão…) com aromas predominantes de flores brancas, pêssego, etc, Uma vez que tem uma elevada percentagem de uvas brancas . Na boca, encontramos uma maior acidez e amargura que vinhos rosé, mas muito fresco e fácil de beber.

Legalmente o vinho não existe com esse nome, mas ainda são comercializados sob outras categorias devido à sua elaboração. Se temos de classificar o vinho clarete, isso deve ser feito sob a categoria de vinho rosado. Além disso, o velho método de produção destes vinhos em que o vinho branco e o tinto são misturado está proibida pela União Europeia.
<h4>Como o vinho clarete é feito?</h4>
Para a preparação do <a href=”http://www.tintosetantos.com/index.php/desmistificando/698-afinal-o-que-e-um-clarete” target=”_blank” rel=”noopener noreferrer”>vinho clarete</a>, a fermentação parcial é realizada com as peles (a pele da uva) de uvas vermelhas. Em 24-48 horas, a cor é controlada até que o mosto atinge a cor desejada, e, em seguida, se prossegue ao descube (removê-lo da cuba) e continua a sua fermentação noutro tanque, sem a presença das peles.

O método de produção partilha características de produção com os vinhos tintos nos estágios iniciais e com o vinho branco a partir da fermentação. Assim sendo, dando como resultado com vinhos com características estruturais comuns aos vinhos tintos.
<h2>Vinho Rosé</h2>
<img class=”alignnone size-full wp-image-31125″ src=”http://www.dotgn.cat/wp-content/uploads/VINO-ROSADO.jpg” alt=”” width=”900″ height=”600″ />
<h4>O que é o vinho cor de rosa?</h4>
O vinho rosé é um tipo de vinho que se elabora a partir de uvas vermelhas ou mistura de uvas vermelhas e brancas (as últimas em pequena proporção) e a cor é mais escura, e geralmente mais viva que a obtida nos claretes.

Dentro deste tipo de vinhos, podemos encontrar diferentes classes, dependendo da tempo e do tipo de envelhecimento na adega.
<h4>Como o vinho rosé é feito?</h4>
Para fazer <a href=”https://www.publico.pt/vinhos—cronica/jornal/vinhos-rosados-25060716″ target=”_blank” rel=”noopener noreferrer”>vinhos rosé</a>, a fermentação é realizada sem as peles, a principal característica o distingue do vinho claro e torna a sua preparação parecida aos vinhos brancos.

Actualmente, existem dois métodos de processamento para os vinhos rosé:

<b class=”b5″>Rosé de sangramento. </b><b class=”b2″> </b>As uvas tintas são desengaçadas, maceradas e após 10-40 horas, dependendo da cor desejada, procede-se ao “sangramento”. Isto é, o mosto é extraído e deixa-se no interior as partes sólidas. Este deve ser transferido para outro tanque onde fermenta sem as cascas da uva.  Os vinhos rosé ​​feitos com este método são caracterizados por uma cor mais intensa e aromas de morangos e framboesas.

<strong>Rosa de prensagem directa</strong>. A uva (tinta ou branca em pequena proporção e tinta) é pressionada, dando ao puré um ligeiro toque de cor devido aos pigmentos do bagaço (a pele da uva).  O mosto resultante da prensagem fermenta-se noutro tanque sem as peles.  O vinho rosé produzidos com este método caracterizam-se por serem mais leves.
<h2>Então, qual é a diferença entre um rosé e vinho tinto?</h2>
Em suma, podemos dizer que as suas diferenças são:
<ul>
<li>O clarete só pode ser um vinho jovem enquanto o vinho rosé pode ser de diferentes tipos (jovens, criança, reserva ou grande reserva).</li>
<li>O clarete é parcialmente fermentado em contacto com a casca da uva, enquanto que o rosé não.</li>
<li>Um vinho clarete elabora-se com uma mistura de uva tinta e branca, enquanto que o rosé pode ser feito apenas com uvas vermelhas ou mistura de uvas tintas e brancas (as brancas sempre em menor grau).</li>
<li>O clarete assemelha-se  no seu desenvolvimento inicial ao vinho tinto, enquanto rosé ao do vinho branco.</li>
</ul>


Comidas que combinam com vinho tinto

Nada como estar com os amigos conversando, petiscando e tomando um vinho. Mas você sabe quais comidas que combinam com vinho tinto? Existem diferentes tipos de vinho tinto e eles combinam de diferentes maneiras com diferentes tipos de culinária ou com determinados alimentos.

Existem muitas combinações agradáveis que melhoram o sabor tanto da comida como do vinho que tomamos. O casamento perfeito é aquele que aumenta as virtudes das receitas e do vinho que estamos partilhando.

vinho tindo e comida

O vinho tinto combina bem com muitos pratos da nossa cozinha e também com algumas sobremesas. Outro aspecto interessante é que também podemos usar o vinho tinto como toque especial para muitas receitas de pratos salgados e doces, como por exemplo as pêras em vinho tinto.

Dicas básicas para um equilíbrio perfeito

Antes de colocar as comidas que deixar os princípios básicos para conseguir o equilíbrio entre os dois:

  • Tomaremos vinhos tintos com alto teor de tanino com carnes vermelhas.
  • Um alto teor de tanino vermelho não é a melhor escolha para acompanhar pratos picantes.
  • Para os peixes sempre pensamos em vinho branco, mas os vinhos tintos baixos em tanino também podem acompanha perfeitamente.
  • Os vinhos tintos encorpados acompanham muito bem com pratos saudáveis.
  • Para a sobremesa se tomaram vinhos doces, assim como a sobremesa ou mais.
  • Um vinho que envelheceu é complexo, por isso, para que haja harmonia os ideais serão pratos como assados ou comidas com pouco sal (sem temperos ou molhos que possam cobrir as nuances de vinho).
  • Evite tomar vinho tinto com ingredientes como picles, alcachofras, pimentos, amendoim ou chocolate.

Comidas que combinam com vinho tinto

Vinhos tintos frutados e suculentos

São óptimos para acompanhantes para carnes, frango ou peixe grelhado ou assado, carne de porco assada e alguns pratos de cozinha internacionais como comida indiana, mexicana, ou (como pizza). Ideal para encontros de família e amigos ou mesmo para um piquenique porque ele também funciona bem com queijos suaves.

Vinhos tintos intensos com aroma a frutas do bosque

Entre as comidas que combinam com vinho tinto intensos com aroma a frutas do bosque contamos com carnes grelhadas ou assadas, especialmente cordeiro ou carneiro. Também pode ser uma boa escolha para acompanhar um pato, frango ou peru assado e carne assada com corte clássico muito fino.

Evite tomar esse tipo de vinhos com peixes porque desaparece o sabor da comida, bem como quando é acompanhado por tomates ou alimentos muito picantes como seu sabor não é de todo agradável.

Vinhos tintos sedosos aromáticos 

Estes vinhos tintos acompanham bem carnes vermelhas com molhos não picantes, carnes de caça, frango em molho de vinho tinto ou alho… São vinhos aromáticos com notas de fruta e que perdem o encanto se tomamos com pratos picantes.

Vinhos com baixo tanino e aromas herbáceos

As comidas que combinam com vinho tinto desse tipo são especialmente da cozinha italiana, espanhola e mediterrânea. Esses vinhos podem ser tomados com praticamente qualquer comida e que funcionam com carne vermelha, porco ou peixe (assado ou grelhado), massas ou pizza, empanadas, com temperos de alho ou ervas. Também é uma boa escolha para acompanhamento de petiscos.

Vinhos tintos terrosos e saborosos

São vinhos para acompanhar pratos de carnes fartas, carnes de caça e qualquer coisa que não combinam bem com carne de porco ou frango frio. Podemos levá-los com arroz na estação do outono (risoto de cogumelos) ou com guisados fortes, peru ou frango recheado que também combinam.

Vinho aromático quente

Estes vinhos são perfeitos com pratos fortes, picantes ou fortes em sabor, mas não são intensas com alimentos mais suave. Ideal para pratos mais fortes da culinária italiana, como massas bolonhesas ou canelone com carne e bechamel. Também eles trabalham muito bem com carnes curadas ou típico peru ou frango recheado.

combinação

Os diferentes tipos de alimentos a nível nacional ou internacional são variados e oferecem muitas possíveis combinações para cada momento com algumas dicas básicas. Partilhar um copo de vinho é maravilhoso e se podemos acompanhar uma deliciosa refeição ou lanche que aumenta suas melhores características.

Ficou claro o assunto das comidas que combinam com vinho tinto? De certeza agora ficará um pouco mais fácil.