Caves Aliança Posts

Vinhos Aliança Premiados no International Wine Challenge 2005 (2005-09-22)

A Aliança viu dois dos seus vinhos serem premiados na edição deste ano do International Wine Challenge – o mais prestigiado concurso internacional de vinhos que se realiza todos os anos em Londres.

Tal como aconteceu o ano passado, a Aliança voltou a conquistar uma Medalha de Ouro no concurso. Este ano, o eleito foi o vinho T Quinta da Terrugem Alentejo 2001 – uma segunda colheita deste vinho de excepção que vem comprovar a evolução e esforço que a Aliança tem vindo a desenvolver para apresentar produtos de grande qualidade junto dos seus consumidores.

Na categoria Medalha de Prata, foi premiado o Douro da Aliança com o vinho Quinta dos Quatro Ventos 2001 – um vinho produzido a partir das castas Tinta Roriz, Touriga Nacional e Touriga Franca, castas de qualidade, sendo o seu tempo de estágio de 12 meses em cascos de carvalho francês e russo.

Mais uma vez um dos mais prestigiados eventos do sector vinícola veio reconhecer a qualidade e excelência dos vinhos produzidos pela Aliança.

Vinhos

Quinta dos Quatro Ventos Douro 2001 Conquista 90 pontos na Wine Spectator (2005-09-13)

A qualidade dos vinhos Aliança volta a ser reconhecida internacionalmente pela revista Wine Spectator – a mais prestigiada do sector – com a atribuição de 90 pontos ao vinho Quinta dos 4 Ventos Douro 2001.

Depois de no ano passado o vinho Quinta dos 4 Ventos Reserva Douro 2001 ter alcançado uma pontuação de 92 pontos nesta mesma revista, fica assim novamente comprovada a qualidade acima da média da gama de vinhos Aliança, e em especial da Quinta dos Quatro Ventos do Douro.

O Quinta dos 4 Ventos Douro 2001 é um vinho proveniente da região do Douro Superior, produzido a partir das castas Tinta Roriz, Touriga Franca e Tinta Barroca, e com um estágio de 14 meses de estágio em barricas de carvalho francês e americano.

Com um paladar profundo e concentrado a frutos negros e um aroma com nuances a especiarias, o Quinta dos 4 Ventos Douro 2001 é ideal para acompanhar pratos de Cozinha Tradicional Portuguesa, podendo ser adquirido em garrafeiras especializadas e alguns hipermercados a um preço de 12 Euros.

Esta pontuação, atribuída pela revista Wine Spectator, vem mais uma vez testemunhar a aposta da Aliança em produzir vinhos de categoria mundial.

Vinhos

Hoje deixarei várias informações e dicas sobre como servir e apreciar um vinho. Pequenos e úteis temas que são importantes na hora de desfrutar do vinho.

Dicas sobre como servir e apreciar um vinho

A melhor forma de servir e apreciar um vinho

A regra principal consiste em adequar o vinho ao prato que vai ser servido. Ao longo da refeição não deverão ser servidos muitos vinhos diferentes.

Deixamos aqui algumas dicas para melhor desfrutar da combinação entre vinhos e gastronomia:

  • Primeiro são servidos os vinhos mais leves, e posteriormente os mais robustos;
  • Assim como primeiro servem-se os vinhos brancos, e depois os tintos;
  • E também os vinhos doces e depois os secos.

As temperaturas a que os vinhos deverão ser servidos são as seguintes:

  • Espumantes entre os 6 e os 8º, tendo o cuidado de os colocar num frapé uma vez que a sua temperatura sobe rapidamente;
  • Vinhos brancos novos cerca de 10º e com algum nível de envelhecimento já podem ser servidos a uma temperatura de 12º;
  • Vinhos tintos novos entre os 12 e os 15º e com algum grau de maturação devem ser servidos a uma temperatura de 18º.

Taças

A escolha deve sempre recair sobre copos que ponham em evidência a cor e os aromas do vinho. O copo ideal deverá ser arredondado, alongado e com a parte de cima mais estreita que o resto do corpo. Desta forma, os odores libertados depois de agitar não se dissipam.

Taças de vinho

Como provar

  1. Olhar: Contemplar o vinho deve ser o primeiro passo, a uma luz suficientemente boa, mas não fluorescente. O copo deve estar a 1/3 da sua capacidade. Deve-se segurar o copo pela base ou pela haste, e incliná-lo num ângulo de 45º. Desta forma, a observação é facilitada e impede-se o aquecimento do vinho pelo contacto com a mão. Os aspectos a observar são: a limpidez do vinho, a existência de bolhas ou corpos estranhos, a tonalidade, e a gradação da cor desde o centro até à orla. Em seguida pouse o copo na mesa ou continue a segurá-lo pela haste e faça o vinho girar. Observe a forma como o vinho escorre ao longo do copo. Um vinho que escorra lentamente, tem elevadas quantidades de álcool e/ou açucares.
  2. Cheirar: Sentir os odores libertados constitui uma experiência única. São variados os aromas que se podem identificar num copo de vinho. Um bom vinho possui um bouquet complexo e intenso.cheirando vinho
  3. Provar: Prove, então o vinho. Tome um gole generoso, que lhe permita sentir o vinho em todas as pupilas gustativas. Sinta o seu sabor e a sua textura até obter uma opinião sobre os sabores sentidos.

Decantação

O objectivo da decantação é impedir que os sedimentos do vinho passem para o copo e acelerar a sua oxigenação. Nem todos os vinhos necessitam de ser decantados. Quanto mais velho for o vinho, maior a probabilidade de se acumularem sendimentos, e portanto, maior a necessidade de decantação.

Decantação

O ideal será iniciar a decantação 24 a 48 horas antes de servir o vinho. Quer se utilize um cesto de decantação ou não, o processo de transferência do vinho da garrafa para o frasco de decantação, deve ser lento e suave.

Acho interessante? Quer saber mais sobre vinhos? Confira também os posts sobre comidas que combinam com vinho branco e com vinho tinto. Além disso, recomendo que você visite a página da MasCupon para encontrar as melhores ofertas online.

Branco Rosé Tinto Vinhos

Este mini-guia de vinhos para iniciantes não é nem mais nem menos do que uma introdução ao mundo excitante de vinho. Começamos uma série que será dedicado a orações, dúvidas e questões que nos chegam todos os dias a partir de diferentes lados. É uma guia rápida de vinhos para iniciantes que responde a perguntas que parecem estranhas ou não, nós ouvimos todos os dias. E hoje, para começar, o que diabos é um vinho?

Vamos lá.

Guia rápida de vinhos para iniciantes

1- De como o vinho é feito? O que traz o vinho?

O vinho é produzido a partir de uvas. Nada mais, nada menos. Você não vai adicionar cerejas, coco e pimenta de cheiro tão bom nessas coisas nem alecrim ou chocolate. Vamos explicar partes. O vinho é feito com uvas e, em princípio, não leva mais ingredientes. Mas, claro, para provar as cores e há programadores que utilizam algum outro mais ingrediente (sempre em quantidades vestigiais).

Estes seriam, aproximadamente:

  • Esclarecendo: Anteriormente utilizado claras de ovos, albumina e agora tendem a usar o equivalente industrial. Mas não é sempre ou usado indiscriminadamente.
  • Fermento: Normalmente não se adiciona mais fermento do que aqueles já têm, mas existe enólogos que adicionam. Eles tendem a ir com nutrientes e enzimas para promover a fermentação, para que ele seja feito correctamente.
  • Sulfitos: O vinho, durante o processo de fermentação, gera uma pequena quantidade de sulfitos. Além desses que aparecem naturalmente, se tende a adicionar uma pequena quantidade para prolongar a preservação do vinho. Nos vinhos naturais nunca são adicionados.

Estas substâncias são utilizadas em pequenas quantidades. O que não efectivamente não esta presente no vinho são outros ingredientes como os mencionados antes. O que dá ao vinho o aroma de cerejas, morangos, amoras, maçãs, pêras ou qualquer tipo de fruta é a variedade de uva utilizada para fazer vinho. Normalmente, em geral, por exemplo, Cabernet Sauvignon tem cheiro de pimentas, Pinot Noir frutas vermelhas como cereja ou morango e Chardonnay branco dá aromas de frutas de verão. Claro, tudo está sujeito ao terroir e ao clima, mas isso seria uma grande linha para um guia de vinhos na cabeça. Aromas e especiarias tostadas vêm do envelhecimento barril. Mas isso veremos mais abaixo.

vinhos para iniciantes

 2- Como o vinho é feito?

  • Depois de um ano (ou muito mais) de cuidados na época da colheita das uvas são colhidas. A colheita poder ser feita de maneira manual ou por máquinas.
  • Se separam as uvas que estão em boas condições das que não estão. Isso pode ser feito no vinhedo ou em uma mesa, mas vale ressaltar que nem sempre a selecção é feita.
  • Se o vinho é branco, é pressionado. Se é vermelho, ele amassa para começar a fermentação.
  • O mosto é feito com as peles das uvas. O tempo de maceração depende do resultado que deseja obter o enólogo no vinho.
  • É pressionado e separado das peles.
  • Ele desloca-se de barris ou de um tanque de aço inoxidável para a fermentação malolática (fermentação em que o ácido málico é convertido para láctico)
  • Se filtra ou clarifica.
  • Deve fazer parenting, o recipiente projectado para executar que leva. Os barris de carvalho são os mais comummente usados.
  • Por fim, o vinho é colocado na garrafa.

3- Por que o vinho tem cheiro de temperos ou chocolate?

Como vimos na parte final do processo de vinificação, uma vez feita a maleoláctica filtrada você pode colocar em barris de carvalho (o mais comummente utilizados são de carvalho francês ou americano). Nelas o vinho começa uma fase em que o contacto entre a madeira, oxigénio e vinho traz nuances e cheiros diferentes tinha originalmente. Se o vinho é envelhecido em barricas de carvalho francês será aromas picantes, brinde, assado… Se o vinho é envelhecido em aromas de carvalho americano será mais adocicado, mais exuberante, como o coco, baunilha, cedro…

Se gostou desse post confira também o texto sobre como a cor afeta a sua percepção de sabor do vinho.

Vinhos