O vinho rosé e o clarete: diferenças

<div id=”gt-src-cc-ctr” class=”cc-ctr gt-src-cc-normal”>

O vinho rosa e o clarete atingem o seu pico de consumo nas estações mais quentes. Não é nenhum segredo que o calor faz com que o nosso corpo e mente prefira vinhos mais frescos. Nestes casos, os vinhos brancos e rosé são aqueles que levam o prémio. Assim como, a gastronomia da península no verão também influencia a consumir branco e rosé nestas épocas do ano.

<img class=”alignnone size-full wp-image-31128″ src=”http://www.dotgn.cat/wp-content/uploads/16930242136_1b241e2c92_z.jpg” alt=”” width=”640″ height=”427″ />
<h2>O Grão</h2>
Vamos começar fazendo a distinção entre o vinho rosé e o clarete. Isto é, o seu método de preparação, já que é algo que tendemos a complicar e enredar, pois a tradição das áreas de produção do clarete colidem com as definições legais destes tipos de vinho.

Para não entrar em disputas, debates complicados e classificações que vão levar a um beco sem saída, temos escolhido documentar-nos lendo artigos sobre o assunto e apreciando a opinião de viticultores, enólogos e amantes e os consumidores deste tipo de vinho.
<h2>Vinho Clarete</h2>
<img class=”alignnone size-full wp-image-31126″ src=”http://www.dotgn.cat/wp-content/uploads/diferentcias-vino-rosado-clarete.jpg” alt=”” width=”650″ height=”430″ />

</div>
<h4>Qual é o clarete?</h4>
O claro é um tipo de vinho jovem feito com uvas vermelhas e brancas, resultando num vinho com pouca cor (rosa claro, salmão…) com aromas predominantes de flores brancas, pêssego, etc, Uma vez que tem uma elevada percentagem de uvas brancas . Na boca, encontramos uma maior acidez e amargura que vinhos rosé, mas muito fresco e fácil de beber.

Legalmente o vinho não existe com esse nome, mas ainda são comercializados sob outras categorias devido à sua elaboração. Se temos de classificar o vinho clarete, isso deve ser feito sob a categoria de vinho rosado. Além disso, o velho método de produção destes vinhos em que o vinho branco e o tinto são misturado está proibida pela União Europeia.
<h4>Como o vinho clarete é feito?</h4>
Para a preparação do <a href=”http://www.tintosetantos.com/index.php/desmistificando/698-afinal-o-que-e-um-clarete” target=”_blank” rel=”noopener noreferrer”>vinho clarete</a>, a fermentação parcial é realizada com as peles (a pele da uva) de uvas vermelhas. Em 24-48 horas, a cor é controlada até que o mosto atinge a cor desejada, e, em seguida, se prossegue ao descube (removê-lo da cuba) e continua a sua fermentação noutro tanque, sem a presença das peles.

O método de produção partilha características de produção com os vinhos tintos nos estágios iniciais e com o vinho branco a partir da fermentação. Assim sendo, dando como resultado com vinhos com características estruturais comuns aos vinhos tintos.
<h2>Vinho Rosé</h2>
<img class=”alignnone size-full wp-image-31125″ src=”http://www.dotgn.cat/wp-content/uploads/VINO-ROSADO.jpg” alt=”” width=”900″ height=”600″ />
<h4>O que é o vinho cor de rosa?</h4>
O vinho rosé é um tipo de vinho que se elabora a partir de uvas vermelhas ou mistura de uvas vermelhas e brancas (as últimas em pequena proporção) e a cor é mais escura, e geralmente mais viva que a obtida nos claretes.

Dentro deste tipo de vinhos, podemos encontrar diferentes classes, dependendo da tempo e do tipo de envelhecimento na adega.
<h4>Como o vinho rosé é feito?</h4>
Para fazer <a href=”https://www.publico.pt/vinhos—cronica/jornal/vinhos-rosados-25060716″ target=”_blank” rel=”noopener noreferrer”>vinhos rosé</a>, a fermentação é realizada sem as peles, a principal característica o distingue do vinho claro e torna a sua preparação parecida aos vinhos brancos.

Actualmente, existem dois métodos de processamento para os vinhos rosé:

<b class=”b5″>Rosé de sangramento. </b><b class=”b2″> </b>As uvas tintas são desengaçadas, maceradas e após 10-40 horas, dependendo da cor desejada, procede-se ao “sangramento”. Isto é, o mosto é extraído e deixa-se no interior as partes sólidas. Este deve ser transferido para outro tanque onde fermenta sem as cascas da uva.  Os vinhos rosé ​​feitos com este método são caracterizados por uma cor mais intensa e aromas de morangos e framboesas.

<strong>Rosa de prensagem directa</strong>. A uva (tinta ou branca em pequena proporção e tinta) é pressionada, dando ao puré um ligeiro toque de cor devido aos pigmentos do bagaço (a pele da uva).  O mosto resultante da prensagem fermenta-se noutro tanque sem as peles.  O vinho rosé produzidos com este método caracterizam-se por serem mais leves.
<h2>Então, qual é a diferença entre um rosé e vinho tinto?</h2>
Em suma, podemos dizer que as suas diferenças são:
<ul>
<li>O clarete só pode ser um vinho jovem enquanto o vinho rosé pode ser de diferentes tipos (jovens, criança, reserva ou grande reserva).</li>
<li>O clarete é parcialmente fermentado em contacto com a casca da uva, enquanto que o rosé não.</li>
<li>Um vinho clarete elabora-se com uma mistura de uva tinta e branca, enquanto que o rosé pode ser feito apenas com uvas vermelhas ou mistura de uvas tintas e brancas (as brancas sempre em menor grau).</li>
<li>O clarete assemelha-se  no seu desenvolvimento inicial ao vinho tinto, enquanto rosé ao do vinho branco.</li>
</ul>

Deixe uma resposta